+ de 60% de desconto em qualquer curso Navega! • #BlequiFráidei


Como construir um bom personagem ficcional? Descubra as dicas para compor protagonistas de sucesso no seu roteiro

3 DICAS de ouro sobre composição de personagens utilizadas pela premiada diretora e roteirista Anna Muylaert em seus filmes.

Anna Muylaert em seu curso Roteiro Cinematográfico 

 

Anna Muylaert é um dos maiores expoentes do roteiro e da direção do país. Seus premiados filmes como "Que Horas Ela Volta?",  "É proibido Fumar",  "Durval Discos" e tantos outros encantam o público brasileiro e internacional.

Reunimos, aqui no Blog NAVEGA , três dicas fundamentais que Anna preparou para te ajudar a construir personagens potentes, inspiradores e impactantes, capazes de levar os espectadores a viverem histórias inesquecíveis. 

Confira abaixo as dicas para compor os seus personagens:

DICA 1: O protagonista é a semente da história

"A história é a árvore de uma semente. A semente é o personagem". 

Anna destaca a importância do protagonista na condução das cenas e atos do roteiro e explica que todos os demais personagens vão surgindo a partir das necessidades e contextos do personagem principal. 

Assim, a história se desenvolve a partir da semente que é o protagonista, suas angústias, suas questões e daí constrói-se uma teia de relações deste com os demais personagens que vão surgindo e se ramificando sempre ajudando no avanço das cenas tendo como base a trajetória do personagem principal. 

Em seu aclamado filme  "Durval Discos",  Anna conta a história de um homem se libertando mãe. Assim, a cineasta optou por uma estrutura narrativa que chama de “filme de mala de dinheiro”, em que o personagem honesto encontra uma mala de dinheiro e, quando se dá conta, já está envolvido numa história de roubo. Neste filme, a "mala de dinheiro" é uma criança. Junto com a criança, vem a babá. Mas há também a vizinha, vivida por Marisa Orth, personagem que representa “o outro”, ou seja as pessoas que a mãe não quer que cheguem perto do seu filho. Tudo se move em torno do personagem principal e as questões a serem superadas por ele. 

Assista também ao trailer e ao filme "Que Horas Ela Volta?" e perceba  que todos os personagens criados por Anna têm uma função muito clara no filme que tem a ver com trajetória da protagonista principal, a Val. Todos os personagens estão de algum modo relacionados à ela e todos são fundamentais para levar a trama adiante.  

Cena de "Durval Discos" (2002) / Fonte: Divulgação

 

DICA 2: Fuja de estereótipos e maniqueísmos 

Em geral, em uma primeira versão do roteiro, os personagens são "flat", atendem a um padrão social. Com o desenrolar da trama, Muylaert sugere que o roteirista promova uma quebra de padrões e estereótipos, humanizando cada um dos personagens. O roteirista principiante deve ficar atento à tendência de criar estereótipos, prática comum no cinema e na TV.

Por exemplo, para romper com a lógica de padrões de beleza e de papeis sociais, é possível escalar um elenco que ajude a quebrar tais estereótipos: “o personagem do pai pode ser gay, a bonita pode ser gorda ou magra demais”, menciona Muylaert. 

Em "E Além de Tudo me Deixou Mudo o Violão"telefilme que Muylaert escreveu e dirigiu, há uma personagem adolescente, Érika (Daniela Piepszyk), filha de uma mãe alcoólatra. Em uma cena Erika vai visitar o pai, já separado da mãe e casado novamente, mas não com uma mulher, o que seria o mais comum. Desta forma, é possível criar personagens que quebram com o esperado e consequentemente com os estereótipos. A narrativa do filme também se torna mais ousada e interessante. 


Cena de "E Além de Tudo Me Deixou Mudo o Violão" (2013) / Fonte: Divulgação

 

DICA 3: Encontre a humanidade de seu personagem 

A desejada quebra de estereótipos e fuga das simplificações nos personagens, Muyalert adiciona um ingrediente especial: a essência humana e suas inevitáveis contradições. A protagonista de "Que Horas Ela Volta?", por exemplo, a despeito de todo seu encanto e afeto, vive o drama de ter deixado sua filha no Nordeste quando se mudou para São Paulo em busca de sustento. Assim, o roteirista vai desenhando as complexidades de cada personagem e suas muitas camadas tendo como meta humanizá-los 

Portanto, uma recomendação é sempre tentar escavar profundamente o que move seu protagonista e os demais personagens, compreendendo suas especificidades, sua humanidade. Um vilão não precisa ser apenas um vilão no sentido tradicional, ele pode apresentar fragilidades em algum momento da trama e isso torna o personagem e a  narrativa mais próximos da realidade, da vida. A dica é olhar para todos os personagens contemplando a suas perspectivas humanas e acolhendo suas complexidades e contradições. 

Cena de "Que Horas Ela Volta?" (2015) / Fonte: Divulgação

 

Não há uma fórmula

O essencial é tentar fazer com que seus personagens sejam libertários e quebrem os padrões. 

De forma geral, adota-se como parâmetro a representação do mundo e das pessoas da forma como surgem no cinema e na TV que em geral apresenta vários estereótipos. Anna acredita que uma das funções do roteirista, do diretor e de quem trabalha com audiovisual é quebrar os padrões e trazer os personagens para perto da realidade com todas as suas complexidades e, consequentemente, para uma libertação dos padrões e dos estereótipos.

Quer saber mais? 

Que tal assistir a uma aula gratuita sobre Roteiro Cinematográfico com a mestra Anna Muylaert que o Navega preparou para você?